Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Cinco cidades serão escolhidas, em uma medida que visa diminuir rapidamente as emissões de gases poluentes no sistema de transporte.

A Alemanha deve testar, ainda neste ano, um sistema de transporte público 100% gratuito. A intenção é reduzir, de forma rápida e significativa, as emissões de gases poluentes, para que o país se adeque às exigências ambientais da União Europeia.

Nas cidades como Essen, da foto, a intenção do governo alemão com a gratuidade é levar mais cidadãos ao transporte sobre trilhos, em detrimento dos carros

Três ministros alemães assinaram um memorando dirigido à comissão de meio ambiente da UE anunciando a intenção de testar a medida antes do fim de 2018. “Estamos considerando o transporte público gratuito com o intuito de reduzir o número de veículos particulares”, diz o documento. O cálculo é que, mesmo com uma demanda maior por ônibus e veículos sobre trilhos, as emissões de gases diminuirão drasticamente em relação ao que se vê com a grande quantidade de carros nas ruas.

Ao todo, cinco municípios deverão servir como laboratório: a antiga capital alemã Bona e os centros industriais Essen e Manheim já foram pré-selecionados – as cidades somam mais de 1,2 milhão de habitantes. O governo liderado por Angela Merkel pretende combinar a gratuidade a outras medidas, como impor novas exigências ambientais para todos os meios de transporte; estabelecer zonas geográficas de baixa emissão de carbono; e estimular o compartilhamento de veículos particulares.

Críticas

Um alerta contra a medida foi dado pelas próprias cidades que possivelmente serão afetadas, receosas de que o custo caia sobre elas e que a falta de planejamento prejudique o processo. “Não sei qual fabricante estaria pronto a entregar a quantidade de ônibus elétricos que precisaríamos”, comentou o prefeito de Bona, Ashok Sridharan.

“A consequência parece clara: mais vagões, mais funcionários, provavelmente mais trilhos e linhas seriam necessárias. De onde virão os bilhões necessários?” questiona o jornal Die Welt, a respeito dos impactos da gratuidade no transporte sobre trilhos.

Certo é que a Alemanha precisa pensar rápido no que fazer. Além da urgência ambiental por mudanças nas políticas de transporte em todo o mundo desenvolvido, o país europeu já ultrapassou o deadline dado pela União Europeia para a redução nas emissões de dióxido de nitrogênio e poeira fina. Outros oito países estão em situação semelhante, incluindo França, Espanha e Itália.

Fonte: The Guardian

Total
3
Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

%d blogueiros gostam disto: