Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

MPD Construtora fez trabalho de restauração em antigo Presídio do Ahú para transformá-lo em um dos edifícios do novo Centro Judiciário de Curitiba.

MPD Construtora foi escolhida por meio de licitação pública
Foto: Divulgação/MPD Construtora

A cidade de Curitiba (PR) realizou, agora em julho, a inauguração da nova sede do Tribunal de Justiça do Paraná, situada no bairro do Cabral. A MPD Construtora foi escolhida por meio de licitação pública, em 2016, para ser a empresa responsável por realizar as obras do Centro Judiciário de Curitiba. O projeto contemplou a transformação do antigo Presídio do Ahú na nova sede do Tribunal de Justiça e a construção de um edifício que abrigará o Fórum Criminal e os Juizados Especiais.

A primeira etapa das obras durou dois anos e entregou mais de 25.000 m² de área construída e dois prédios. O novo edifício irá abrigar as 13 Varas Criminais da capital, a Central de Custódia, o Plantão Judiciário, as 1ª e 2ª Varas de Execução das Penas e Medidas Alternativas (VEPMA), as 1ª e 2ª Varas de Delito de Trânsito e a Vara de Auditoria da Justiça Militar. Já a restauração do presídio abrigará os Juizados Especiais de Curitiba.

Restauração

Antiga fachada foi restaurada para o Centro Judiciário de Curitiba
Foto: Divulgação/MPD Construtora

O Presídio do Ahú foi originalmente construído entre os anos de 1896 e 1903 como Hospício Nossa Senhora da Luz – que funcionou no local até 1907 –, sendo transformado na instituição penitenciária após este período. Como presídio, a edificação funcionou até meados de 2006 quando foi fechado.

Antes do início do trabalho de restauração, foi realizado um exame minucioso das condições do edifício. O maior desafio enfrentado pela MPD Construtora foi adequar um prédio com mais de um século de idade em um empreendimento moderno com acesso às tecnologias mais recentes e, principalmente, adaptá-lo às novas normas de segurança e acessibilidade, proporcionando conforto aos usuários.

A fachada do antigo Hospício foi preservada e restaurada, recuperando os detalhes do projeto original. O interior foi totalmente demolido e reconstruído segundo conceitos modernos. Além disso, o empreendimento proporcionou a reurbanização de todo o entorno da região, que possibilitará a geração de mais oportunidades comerciais e qualidade de vida para os moradores do bairro.

“Estamos muito felizes com a conclusão de mais um projeto grandioso e poder contribuir com a história de Curitiba. Esta obra foi um desafio para nós, pois tivemos que manter nossa criatividade, além de contornar as dificuldades apresentadas pela complexidade de adequação desse tipo de projeto que tem diversas especificidades e uma história”, comemora Antônio Jambeiro, diretor técnico da MPD.

Sustentabilidade

Área interna de um dos prédios do Centro Judiciário de Curitiba
Foto: Divulgação/MPD Construtora

Segundo Milton Meyer, vice-presidente de operações da MPD Construtora, o desenvolvimento sustentável fez parte do novo Centro Judiciário de Curitiba desde o planejamento até a entrega do projeto. “A MPD é uma construtora que se preocupa e trabalha com as melhores técnicas e soluções que não impactam o meio ambiente, gerando reais benefícios para as empresas, como redução de resíduos, de consumo de energia e de água”, afirma. As mais modernas tecnologias ajudarão nas necessidades de operação do projeto, as quais maximizam a utilização de luz natural como fonte de iluminação no prédio, sendo possível reduzir custos e operar de forma sustentável, além de sistemas de reuso de água e sistema autônomo de geração de energia.

A primeira iniciativa foi reutilizar todos os resíduos da demolição das partes internas do antigo Presídio do Ahú para fazer a fundação do estacionamento do complexo. Neste processo, foram utilizados mais de 7.400 metros cúbicos do reaproveitamento destes resíduos como base de sustentação dos estacionamentos. Além disso, foi montado um eficiente sistema de “lava-rodas” com o objetivo de impedir que os caminhões, saindo da obra, não carregassem materiais sólidos para outras partes da cidade.

Com o projeto entregue, o balanço das ações sustentáveis é ainda maior. Por exemplo, o sistema de captação da água de chuvas tem a capacidade de utilizar mais de 36 mil litros de recurso para irrigação dos jardins e redirecionamento para o uso de descarga nos vasos sanitários do complexo.

Outro ponto importante é a instalação de cobertura de vidro de 1.025 m² no atual pátio de eventos do Centro Judiciário de Curitiba. “Durante o dia, é a principal fonte de alimentação de energia do espaço. Vale ressaltar que o vidro escolhido para esta cobertura possui uma camada refletiva de 12 milímetros que mantém a temperatura ambiente do espaço, evitando assim a utilização de ar condicionado”, explica o vice-presidente de operações da MPD.

Sobre este assunto, a tecnologia de refrigeração do prédio é uma das mais modernas no Brasil. Foram usados sistemas de ar condicionado VRS que funcionam automaticamente quando detectam a presença humana através da carga energética. Ou seja, esse sistema só entra em carga na presença de pessoas no ambiente, gerando assim uma grande economia de energia e água por não estarem em funcionamento quando não é necessário.

Por fim, as divisórias das salas foram feitas em paredes de DryWall, uma solução da construção civil que causa menos impacto na natureza e menos resíduo a ser descartado. Portanto, é uma técnica mais sustentável do que alvenaria convencional. “Entregamos empreendimentos funcionais e econômicos, que geram benefícios para as cidades onde estão instalados. Hoje, o Centro Judiciário de Curitiba entrega um espaço para a sociedade que antes ela não tinha, com mais áreas verdes, espaços públicos e mais qualidade de vida para os moradores do bairro do Cabral”, finaliza Milton.

Total
1
Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

%d blogueiros gostam disto: