Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Soluções implantadas priorizaram o conforto térmico, acústico e visual da Escola Pública Ilha da Juventude, criando um excelente ambiente para os usuários.


green yearbook 2018


fachada escola pública Ilha da Juventude
Escola Pública Ilha da Juventude recebeu certificado AQUA-HQE. Foto: Divulgação/FDE

A primeira escola pública do Brasil com selo sustentável foi inaugurada em maio de 2012 na Vila Brasilândia, bairro situado na Zona Norte da cidade de São Paulo (SP). A Ilha da Juventude entregou um projeto com soluções arquitetônicas e baixo impacto ambiental, que conquistou a certificação AQUA-HQE nas fases programa e concepção.

A Fundação para o Desenvolvimento de Estado da Educação (FDE) – responsável pela rede física escolar da Secretária de Estado da Educação de São Paulo – optou pelo referencial criado pela Fundação Vanzolini devido ao foco que a certificação tem em atender todos os requisitos necessários para a criação de um excelente ambiente para os seus usuários.

Um dos objetivos do projeto foi maximizar o aproveitamento de iluminação natural e conforto térmico, solucionando um dos problemas mais comuns em escolas em relação à temperatura – onde salas de aula são muito frias no inverno e muito quentes no verão.

Trata-se de um projeto essencialmente sustentável e pioneiro para a época, o que representou um grande avanço de qualidade arquitetônica e funcional na busca pela excelência em edificações escolares.

Veja abaixo algumas soluções sustentáveis implantadas na escola Ilha da Juventude.

  • Sítio e construção: O processo de construção adotou sistemas e produtos sustentáveis, bem como um canteiro de obras adequado. Algumas ações foram tomadas em favor da comunidade, como a criação de bicicletários – para incentivar alternativas de transporte sustentável –, plantio de árvores nativas – criando um espaço externo mais agradável e arborizado, que melhora a qualidade do ar – e otimização da qualidade da vizinhança em geral – garantindo acesso à vista, iluminação natural e diminuindo incômodos sonoros e fontes de poluição e odores;
  • Eficiência no uso de água: Soluções como sistema de aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis e torneiras com acionamento por pressão e arejadores ajudam a reduzir o desperdício do recurso. A escola também aderiu ao Programa PURA, da Sabesp, que incentiva o consumo consciente de água por parte de alunos e usuários que frequentam o local durante os fins de semana;
  • Energia e atmosfera: Foram empregadas lâmpadas econômicas e um sistema de aquecimento solar de água, que reduzem consideravelmente o consumo de energia elétrica. Além disso, o edifício utilizou recursos arquitetônicos para melhorar o aproveitamento da iluminação natural, diminuindo a necessidade de iluminação artificial dentro das salas de aula;
  • Gestão de resíduos: A Escola Pública Ilha da Juventude busca estimular a triagem de resíduos para facilitar a coleta seletiva. Desta forma, foram criados dois abrigos para o armazenamento do lixo gerado na escola separando os que são recicláveis e os orgânicos. Assim, é possível tomar as providências para a destinação ambientalmente correta de cada material;
  • Conforto ambiental e saúde: Os projetistas conseguiram aprimorar a utilização dos brises da fachada, aproveitando ao máximo a iluminação natural. O acesso abundante à luz do dia melhora o conforto visual dos usuários, além disso, telhas metálicas também reduzem a incidência solar direta e excessiva, diminuindo a carga térmica do ambiente. Outro fator que garante o conforto térmico – e ainda por cima melhora a qualidade do ar – foi a elaboração do projeto arquitetônico de forma que favorecesse a ventilação natural cruzada. Já na questão de conforto acústico, a utilização de isolante acústico no contra piso da quadra esportiva, lã de vidro na cobertura e portas maciças do tipo mexicana nas salas de aula bloquearam a propagação de ruídos e barulhos.
O conteúdo completo desta matéria poderá ser conferido no Green Yearbook 2018 – Certificações e Sustentabilidade no Brasil. Acompanhe o Going Green Brasil para mais conteúdos exclusivos do Anuário nos próximos dias. Para saber como participar envie uma mensagem pelo e-mail info@goinggreen.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

%d blogueiros gostam disto: