Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Edifício garante conforto aos moradores, operação econômica e respeito ao entorno. Park One Ibirapuera norteou conceito sustentável na OR.


green yearbook 2018


Fachada Park One Ibirapuera
Park One Ibirapuera foi o segundo residencial certificado pela Fundação Vanzolini. Foto: Divulgação/OR

A série de matérias especiais sobre o Anuário Green Yearbook 2018 está trazendo um panorama geral sobre a certificação AQUA-HQE no Brasil, que, neste ano, comemora 10 anos desde o seu lançamento. Alguns cases de referência, como os primeiros certificados e a primeira escola pública, já foram apresentados. Agora, trazemos um importante empreendimento em São Paulo.

O Park One Ibirapuera – edifício residencial de alto padrão situado em uma das regiões mais nobres da capital paulista – é considerado um marco na história da OR, braço imobiliário do Grupo Odebrecht. Foi a partir dele que se iniciou uma nova fase focada em projetos residenciais sustentáveis na construtora.

Veja também: Parque Avenida é o primeiro empreendimento certificado AQUA-HQE de BH

A sustentabilidade esteve presente em todas as fases do projeto e da construção, sendo essencial para elevar o seu valor de mercado e de atração para os potenciais moradores. O edifício foi atestado em todas as fases da certificação para novas construções, ou seja, pré-projeto, projeto e execução. Vale destacar que, na ocasião, o empreendimento foi o segundo residencial a ter conquistado o selo AQUA-HQE no Brasil.

As soluções adotadas são fundamentais não só para a preservação de recursos naturais, mas, também, para reduzirem o custo operacional. O conforto dos moradores e a boa relação com o seu entorno – especialmente durante a fase de execução das obras – também foram premissas importantes para o Park One Ibirapuera.

Diferenciais sustentáveis

Park One Ibirapuera
Edifício está localizado em uma das regiões mais nobres de São Paulo. Foto: Divulgação/OR

Sítio e construção: Enquanto alguns materiais da construção puderam ser reaproveitados, os considerados inertes foram triturados e usados no terreno como apoio para a base construtiva. Além disso, foi utilizado um aditivo retardador de pega no gesso durante a construção, o que garante um melhor reaproveitamento do material e reduz o seu desperdício;

Eficiência no uso de água: O sistema de reúso de águas cinzas – provenientes de torneiras, pias e chuveiros – realiza um tratamento antes de enviar o volume para o uso nas descargas dos vasos sanitários dos apartamentos. Já a água da chuva é utilizada para a limpeza de áreas comuns e irrigação nos jardins. A estimativa é que estas soluções ajudem a reduzir de 20% a 30% do consumo total;

Energia e atmosfera: O projeto utilizou lâmpadas econômicas, além de sensores de presença nas áreas comuns para evitar que as luzes estejam acesas quando não há ninguém nos locais. Outra importante ação para racionalizar os gastos com energia foi a instalação de um sistema de aquecimento solar – combinado com apoio a gás – para atender a demanda de água quente nos chuveiros de cada unidade;

Operação e manutenção: A adoção de medidas sustentáveis faz com que o trabalho de operação seja direcionado mais no sentido de gestão e manutenção preventiva. Vale destacar o fácil acesso ao shaft de sistema hidráulico, o que agiliza procedimentos de manutenção quando necessários. A presença de depósito para o descarte correto de lixo reciclável também contribui para a sustentabilidade em geral;

Conforto ambiental e saúde: A concepção de um projeto arquitetônico que maximizasse a entrada de iluminação natural e proporcionasse conforto acústico e visual os moradores foi fundamental para que o Park One Ibirapuera conquistasse a certificação AQUA-HQE. O conforto acústico foi uma das maiores preocupações da OR, que contratou um especialista para avaliar o impacto sonoro ambiental da área e desenvolver soluções que pudessem reduzir o excesso de ruídos externos e internos;

Inovação e processos: A instalação de pisos drenantes no port chocere – área destinada à entrada de carros para embarque e desembarque dos moradores – foi importante para evitar a criação de poças d’água, já que ele atua com a absorção natural das águas da chuva ao solo.

O conteúdo completo desta matéria poderá ser conferido no Green Yearbook 2018 – Certificações e Sustentabilidade no Brasil. Acompanhe o Going Green Brasil para mais conteúdos exclusivos do Anuário nos próximos dias. Para saber como participar envie uma mensagem pelo e-mail info@goinggreen.com.br.
Total
13
Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

%d blogueiros gostam disto: