Crescimento do mercado de energia solar será impulsionado, principalmente, pela maior adesão dos projetos de micro e minigeração distribuída. 

energia solar fotovoltaica
Brasil terminou 2018 com cerca de 2,2 GW de potência operacional instalada. Foto: Pxhere/1028805

Em entrevista à Reuters, Rodrigo Sauaia, presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), projetou que o total de potência operacional instalada de energia solar no Brasil em 2019 chegará à marca de 3,3 gigawatts (GW), o que representa um aumento de 44% da capacidade atual.

Segundo dados da associação, o Brasil fechou 2018 com um aproximadamente 2,2 GW – sendo 1.798,0 megawatts (MW) de geração centralizada e 501,9 MW de geração distribuída. A expansão deve ser impulsionada, justamente, pelo crescimento dos projetos de geração distribuída.

De acordo com Sauaia, 628,5 MW serão instalados em casas, estabelecimentos comerciais e indústrias neste ano – uma elevação de 125%. Por outro lado, as grandes usinas fotovoltaicas somarão 383 MW até o fim de 2019, um avanço de 21%.

“Aquela visão do passado de que a micro e minigeração distribuída é cara não se sustenta mais. Ela se tornou uma opção acessível e existem diversas linhas de financiamento” disse o presidente da ABSOLAR à Reuters.

Saiba mais: Micro e minigeração de energia solar fotovoltaica chega a 500 MW no Brasil

Vale lembrar que em 2018 o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – por meio do Programa Fundo Clima – aprovou o acesso de pessoas físicas a financiamentos destinados aos investimentos em sistemas de energia solar fotovoltaica. O investimento pode ser recuperado em até sete anos, avaliou Rodrigo Sauaia.

Com a disparada das tarifas de energia no Brasil desde 2015 e a redução nos custos de equipamentos fotovoltaicos, os investimentos em GD podem ser recuperados em um período de três a sete anos, de acordo com Sauaia.

Geração centralizada

De acordo com dados divulgados pela ABSOLAR, a geração centralizada deve investir um total de R$ 21,3 bilhões até 2022, referentes aos projetos já contratados em leilões no mercado regulado de energia elétrica. Assim, o total de potência instalada será de 3,7 GW.

geração centralizada de energia solar
Fonte: ABSOLAR.

“2019 e 2020 serão anos de enorme desafio para a geração centralizada. A ABSOLAR recomenda que o novo governo estruture um planejamento previsível, com continuidade de contratação, para que o setor consiga se planejar”, disse Sauaia à Reuters.

Apesar de todo este crescimento já notável e o otimismo ainda maior quanto ao futuro do setor, a energia solar ainda tem uma presença muito pequena na matriz elétrica brasileira – que contabiliza apenas os números da geração centralizada. Os dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que, atualmente, a energia solar representa apenas 1,1%.

matriz elétrica brasileira
Fonte: ABSOLAR / ANEEL.
Total
59
Shares

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: