Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

A tecnologia blockchain da empresa espanhola Acciona é resultado da parceria com a startup FlexiDAO, selecionada pelo programa de inovação da companhia.

A Acciona criou a tecnologia Greenchain, com conceito da tecnologia blockchain
A Acciona criou a tecnologia Greenchain, capaz de rastrear a origem renovável na geração de eletricidade. Foto: Divulgação/Acciona.

A empresa espanhola Acciona Energia inicia um projeto para implementar a rastreabilidade da origem renovável na geração de eletricidade, por meio da tecnologia blockchain. Nomeado como Greenchain, as informações podem ser verificadas em tempo real e em qualquer lugar do mundo, garantindo que 100% da energia fornecida seja limpa.

A Acciona Energia tem como missão ser pioneira em desenvolvimento e sustentabilidade e, para isso, a inovação é um vetor chave quando se trata de oferecer soluções energéticas cada vez mais eficientes e competitivas.

“No caso da origem renovável de energia, sua rastreabilidade é uma demanda crescente, associada ao crescimento do mercado corporativo de compras de energia verde. Portanto, acreditamos que a tecnologia blockchain, que proporciona transparência e segurança nas transações, poderia facilitar muito esse serviço para nossos clientes em qualquer parte do mundo”, afirma Belén Linares, diretora de inovação da empresa.

Para desenvolver as primeiras fases desse projeto, a companhia fez parceria com a FlexiDAO, especializada em ferramentas de software com serviços de energia digital para empresas de energia elétrica. Ela foi uma das startups selecionadas na segunda edição do programa de inovação aberta da Acciona, o I’mnovation, realizado em junho do ano passado, quando 231 empresas, de dezesseis países, foram analisadas.

“A FlexiDAO nos mostrou um grande conhecimento da aplicação da tecnologia blockchain no setor de energia, muito consolidada por experiências anteriores. Além disso, eles coincidem com a nossa visão do projeto desde o início. Esse foi um dos fatores determinantes ao escolhê-los contra as propostas de outras startups”, diz Belén.

Inicialmente, o foco foi desenvolver um modelo que permitisse rastrear a geração renovável de cinco instalações eólicas e hidráulicas localizadas na Espanha, que, juntas, fornecem energia elétrica para quatro clientes corporativos em Portugal. Com isso, a empresa se tornou a primeira organização com rastreamento de energia renovável por meio de blockchain nos dois países.

Os próximos passos visam à implementação do Greenchain em novas áreas, especialmente em países sem sistemas de certificação da origem da energia consumida, como é o caso de México e Chile. “A América Latina é uma das áreas do planeta onde as energias renováveis têm uma perspectiva melhor de crescimento e na qual a Acciona aumentará significativamente sua já destacada presença”, ela diz.

Por meio do Greenchain é possível fornecer aos clientes rastreabilidade em tempo real da origem renovável da energia que consomem. Para isso, a plataforma realiza uma alocação entre os dados de consumo do cliente e a energia renovável gerada, com o objetivo de mostrar a eles não apenas a fonte de energia renovável que foi utilizada para gerar essa eletricidade, mas também a usina de geração em que ocorreu.

“Nosso objetivo é que eles possam verificar, a qualquer momento, que 100% da energia fornecida está limpa”, confirma a diretora de inovação.

Para a cofundadora e CEO da FlexiDAO, Simone Accornero, mostrar que a rastreabilidade da energia renovável é possível, hoje, gera um valor real, inclusive, para o consumidor. “Junto com a Acciona, queremos ser pioneiros e mostrar que este serviço baseado em blockchain é viável em escala comercial de grande alcance”, comenta a executiva.

De acordo com Belén Linares, a Acciona tem como compromisso de excelência a melhoria contínua dos processos e atividades, e o Greenchain não é uma exceção. Para ela, um dos pilares fundamentais da companhia é o desenvolvimento sustentável das comunidades em que atua e, por isso, promove inúmeros programas sociais que atendem às necessidades e expectativas das mesmas.

“Um dos nossos próximos passos é envolver nossos clientes nesse compromisso e, por isso, pretendemos integrar nossas ações de responsabilidade social corporativa ao Greenchain, para que cada projeto social seja associado a cada um de nossos suprimentos de energia. Nosso objetivo não é apenas fornecer energia a eles, mas nos tornarmos sua parceira de sustentabilidade”, ela afirma.

Belén Linares, diretora de inovação da empresa espanhola Acciona
Belén Linares, diretora de inovação da empresa espanhola Acciona. Foto: Divulgação/Acciona.

Crescimento da sustentabilidade

Na opinião de Linares, há uma crescente conscientização da sociedade em relação aos problemas ambientais, embora ainda haja um longo caminho pela frente. Graças à sua competitividade técnica e econômica, e contribuindo para reduzir as emissões de CO2 causadoras da mudança climática, a Acciona acredita que sua missão é a melhor solução para o sistema de energia sustentável que o mundo precisa.

Na Cúpula do Clima, realizada em Paris, no ano de 2015, a Acciona mostrou seu compromisso de ser uma empresa neutra em carbono. A partir de 2016, assim, compensando 100% das emissões geradas por todo o grupo.

Outros projetos em andamento

Atualmente, a empresa tem mais de 1.000 megawatts (MW) de energia renovável em construção ou com início iminente e espera investir 700 milhões de euros anualmente em novas instalações nos próximos anos. O foco é o crescimento nos países considerados estratégicos, como México, Chile, Austrália ou EUA, mas também estão sempre abertos a outros mercados de oportunidades nos quais é interessante investir.

“Somos um dos principais players do setor de energias renováveis em todo o mundo, com 9.627 megawatts (MW) instalados em cinco tecnologias e em dezesseis países, nos cinco continentes. Todos os dias produzimos energia limpa, equivalente ao consumo de eletricidade de mais de seis milhões de lares”, conclui Belén Linares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

%d blogueiros gostam disto: