Projetos incluem a gestão de recursos hídricos, neutralização das emissões de carbono e promoção da biodiversidade em pequenas propriedades



Philip Morris
Programa Auéra e Projeto Quintais Orgânicos de Frutas, iniciativas pioneiras para a proteção da biodiversidade no âmbito da produção rural familiar. Imagem: divulgação.

No Dia Mundial do Meio Ambiente, a Philip Morris Brasil (PMB) reitera sua atuação no país em projetos diversificados, com o objetivo de reduzir o impacto ambiental do seu negócio, beneficiando a cadeia produtiva do tabaco e as comunidades onde atua. Entre essas ações, a gestão da água feita pela fábrica de cigarros de Santa Cruz do Sul (RS) é um dos destaques: a unidade é a primeira em todo o mundo a obter a recertificação pela Alliance for Water Stewardship (AWS), no padrão 2.0.

A empresa já havia sido certificada pela AWS de maneira inédita no Brasil e na América Latina, em 2018. Neste ano, com os avanços obtidos e o cumprimento de metas mais ambiciosas, a recertificação confirmou o empenho da empresa em utilizar os recursos hídricos de maneira sustentável em sua produção. Desde 2010, o consumo de água no processo de manufatura da unidade foi reduzido em 57%.

A AWS também considera iniciativas que as empresas certificadas mantêm junto à comunidade, incluindo a preservação das bacias hidrográficas e as necessidades da comunidade do entorno. Neste campo, o destaque é o Projeto Protetor das Águas, uma parceria que a PMB possui com a Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Pardo e o município de Vera Cruz.

O objetivo é garantir a preservação dos recursos hídricos mediante o pagamento a agricultores por serviços ambientais de proteção das nascentes e margens de rios localizados em suas propriedades rurais. Atualmente, 66 pequenos produtores estão inscritos e, desde a implementação, o projeto impactou positivamente mais de 23 mil pessoas nas áreas urbana e rural de Vera Cruz. Como principal resultado, o volume de água considerado apropriado para consumo, no Arroio Andreas, que integra a Bacia do Rio Pardo, saltou de 43% para 90%.

Neutralização de carbono e biodiversidade

Essa atenção ao meio ambiente está inserida em uma estratégia global de sustentabilidade, baseada em quatro pilares: a transformação do negócio, visando um futuro sem fumaça; a excelência operacional, por meio de uma atuação responsável, com foco na ética e respeito aos direitos humanos; a gestão do impacto social, com a promoção da saúde, segurança e de condições adequadas de trabalho em toda a cadeia produtiva; e redução do impacto ambiental, que inclui ações de neutralização das emissões de carbono até 2030, redução da geração de resíduos, promoção da biodiversidade e preservação dos recursos naturais.

“À medida em que avançamos na transformação do nosso negócio, sabemos que reduzir nosso impacto ambiental e gerenciar de maneira sustentável os recursos limitados do planeta é fundamental para o nosso crescimento a longo prazo. O momento, mais do que nunca, exige que as empresas e a sociedade trabalhem em sinergia na construção de um futuro sustentável”, destaca Guatimozin Santos, gerente de Relações Institucionais da Philip Morris Brasil.

Em parceria com a Embrapa Clima Temperado, a PMB ainda desenvolve dois projetos que beneficiam as pequenas propriedades na Região Sul do Brasil. O mais recente, o Projeto Auéra, executado desde outubro de 2019, é uma iniciativa pioneira na promoção da preservação da biodiversidade no âmbito da produção rural familiar. Mais de cinco mil agricultores parceiros da PMB nos Estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul participam da iniciativa, que faz o diagnóstico socioambiental das propriedades produtoras de tabaco, define indicadores de sustentabilidade a serem monitorados, ações de capacitação e um plano de intervenção deles visando a recuperação de áreas degradadas e proteção da biodiversidade (fauna e flora). O programa está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Projeto Quintais Orgânicos de Frutas, por sua vez, é desenvolvido desde 2018, valorizando princípios da produção agrícola de base ecológica, abordando questões culturais, étnicas, ambientais, alimentares, econômicas e medicinais. Em 2019, um total de 100 propriedades em 25 municípios do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná foram contempladas pelo programa, com a distribuição de mudas de frutas e vegetais, escolhidas em função de suas características nutricionais e medicinais, assim como adaptação ao solo e clima da região. Esta parceria entre a PMB e a Embrapa Clima Temperado foi renovada para 2020, garantindo o plantio de pelo menos mais 100 quintais neste ano.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: