Com conceitos de biomimética, empreendimento na África utiliza aquecimento e resfriamento passivos e de baixo consumo, para gerar economia na construção e na utilização

Edifício Eastgate Center. Foto: The Biomimicry Institute

O Edifício Eastgate Center, complexo multiuso que compreende um shopping center e uma torre de escritórios, situado na capital do Zimbábue, Harare, é um interessante exemplo de utilização dos conceitos da biomimética no nível das especialidades.

O projeto de climatização utilizado no empreendimento não utiliza um sistema de ar condicionado, mas sim mecanismos de controle climáticos passivos, que são mais eficientes em termos de energia. Inspirado na “tecnologia” dos cupinzeiros, o calor interno gerado pelo uso de máquinas e pelos ocupantes faz impulsionar os fluxos de ar através de aberturas nas laterais e chaminés no telhado.

Os materiais empregados possuem alta capacidade térmica, que permite armazenar e libertar calor obtido na envolvente do edifício. Ventiladores auxiliam nesse processo, operando em ciclos alternados para aumentar o armazenamento de calor durante o dia e liberar calor durante a noite, mais fria.

Inspiração na natureza

Esse complexo sistemas de correntes de ar remete aos montículos criados pelos cupins, no topo de seus cupinzeiros. Algumas espécies utilizam os montes ‘abertos’ com chaminés ou orifícios de ventilação, enquanto outras constroem montes ‘fechados’ que não têm grandes aberturas, mas em compensação, apresentam paredes porosas. Dentro de ambos os montes, os cupins operários podem cavar uma gama complexa de túneis de vários tamanhos. Os próprios cupins vivem em ninhos subterrâneos em colônias que podem conter até um milhão de indivíduos.

Fotos e esquema do interior do cupinzeiro. Imagens: The Biomimicry Institute

Pesquisas recentes demonstraram que, ao contrário do que se pensava, os cupinzeiros não funcionam para manter uma temperatura interna minimamente estável dentro do ninho em face das flutuações extremas de temperatura externa, e sim para criar correntes de ar internas que adequam a temperatura do monte, às variações da temperatura durante o dia. Esses gradientes de temperatura criam correntes de ar ascendente e descendente dentro do monte. A direção dessas correntes varia conforme as mudanças ao longo do dia. 

Além disso, a energia eólica de fluxos de vento ​​fora do monte também desempenha um papel secundário na ventilação. E os fluxos de ar internos provavelmente promovem a mistura entre o ar no monte e o ar no ninho, facilitando a troca gasosa no ninho.

Projeto biomimético trouxe economia para os usuários

O arquiteto Mick Pearce trabalhou com a empresa de construção Arup para projetar o Eastgate Center, apoiou-se neste modelo de regulação da temperatura interna em cupinzeiros. 

No clima de Harare, a compra, instalação e manutenção de um sistema de ar condicionado tradicional para um edifício tem custos imediatos e de longo prazo então, o desafio era criar um sistema de ventilação autorregulado que mantivesse o prédio em temperaturas confortáveis ​​para trabalhadores e residentes. 

Com isso, o empreendimento de US$ 35 milhões economizou 10% nos custos iniciais por não comprar um sistema de ar condicionado. Os aluguéis comerciais são mais baratos neste edifício em comparação com os edifícios próximos devido à economia nos custos de energia.

Entenda mais sobre o projeto, assistindo ao vídeo abaixo:

Fonte: Canal Youtube National Geographic

Fonte: The Biomimicry Institute

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: